Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

afterall

Vermelho e preto

por maria sou, em 27.02.17

IMG_20170227_082441-1.jpg

Vermelho e preto são duas cores poderosas.Juntas, são dois pontos de atração.

Para além disso, uma peça marcadamente de inverno e outra de verão, fazem um contraste ainda mais chocante.

Quanto mais rebuscado for o design de um vestido já de si vermelho, mais tudo o resto deve passar despercebido, para realçar a beleza do vestido, em vez de criar muitos centros de atenção.

Uma sandália que se aproxime do tom de pele, bege.

Um choque e' suficiente.

O vermelho já choca por si só, Mas pode ser usado casualmente e com bom gosto, em vez de acentuar a ideia de vistoso e provocante, por ser naturalmente garrido.

Maria Sou

Estão sempre a assaltar o meu bolso

por maria sou, em 10.02.17

Assaltam o meu bolso sempre que me vendem um produto ou serviço e não passam fatura.

É assim tão grave? Afinal, eu também poupo, porque não pago iva e pela indulgência até me fazem um descontozito.

Ora vamos lá ver.

Quando me passam um fatura, vai para o Estado, o valor do IVA.

Mas mais importante que isso, é que no final do ano, há um imposto sobre o volume de negócios.

O que é isto?

Feitas as continhas todas e simplificando a explicação, entre as  despesas e receitas de uma empresa, (entre as despesas que teve com tudo e o que vendeu) há um lucro. Sobre esse lucro, ainda vai ser calculado um imposto.

É fácil compreender, que será grande a diferença no tal volume de negócios de uma empresa que declara tudo e a da mesma empresa se declarar apenas o que lhe apetece.

E isso faz diferença no meu bolso?

Imaginemos que o Estado necessita de 140 mil milhões de Euros nos cofres para poder realizar as suas obrigações para com o país e os cidadãos . O Estado angaria dinheiro dos impostos,taxas, coimas, multas, etc.

Que grande número 140 mil milhões de Euros! E nem ronda o que realmente é necessário.

Se todos os empresários e cidadãos, não declararem metade dos seus rendimentos ao Estado, isto é, roubarem o Estado, e este dos 140 mil milhões de Euros que esperava receber, só receber 70 mil milhões, vai ter de arranjar uma solução. Aumentar aos impostos.

Se ao fim do ano tiver um aumento de impostos e de custo de vida (luz, água, gás, tabaco, gasolina, mercearia) que ronde os 50 € mensais, ao fim de um ano, gasta mais 600€.

Isso significa, que no final do ano, acaba por pagar o IVA que espertamente julgou ter escapado a pagar, pagou uma parte dos impostos que os outros deviam ter pago, mas não estão para aí virados e não pagou mais, porque não foi preciso, mas se for... VAI PAGAR, nem que passe fome.

 

Ex: Uma empresa que fatura 1.000.000/mês deverá entregar de iva (a 23%) ao Estado por mês - 230.000€

 

Se só declarar 500.000 - só entrega 115.000

(Grosso modo, porque teria de deduzir o valor do iva das despesas que também teve e pelo qual foi tributado).

 

Se 500 empresas fizerem o mesmo temos 230.000x500=115.000.000

e                                                                         115.000x500=  57.500.000

 

já se começa a perceber uma disparidade de valores entre o que devia ser e o que realmente acontece.

 

Pois a realidade é milhões de vezes pior.

O meu bolso terá de alguma forma ser mexido para repor os valores de que o Estado necessita.

 

Só que doi mais a quem menos pode.

 

Maria Sou

 

 

Eutanasia

por maria sou, em 03.02.17

IMG_20170203_174226.jpg

Morte assistida. Sim ou não?

Do grego: Eu (bem) thanatos (morte).

A morte de um bem, e' sempre difícil, mas há muito quem não tenha dificuldade em trocar um bem pelo outro, desde que lhe convenha, lhe pareça mais bonito, ou mais em voga.

Para muitas pessoas, um bem, só o e', se o beneficiar. Tudo o que argumente para afastar essa imagem de si e parecer mais humana e menos egoísta, vale o que vale, aos ouvidos de quem ouve e aos olhos de quem vê.

Porque ninguém quer ter de intervir em assuntos desta natureza, principalmente se não lhe disser respeito diretamente, mas não deixa de se sentir incomodado e até revoltado com determinados acontecimentos menos honestos, há que criar uma forma legal e inquestionável de salvaguardar os interesses de cada um como ser individual que e' e que tem o direito de decidir sobre o que a si diz respeito.

Na minha modesta opinião, a eutanásia e' a vontade expressa do próprio de pôr fim ao seu sofrimento, num estado terminal, com auxilio de quem e do que o possa ajudar a conseguir esse fim, com o minimo de sofrimento. Essa vontade, terá de estar registada em papel ou video.

A mesma decisão tomada por outra pessoa que não o próprio e' homicidio e nada tem a ver com eutanásia.

Em situações de doença terminal com grande sofrimento, e em que já não há qualquer esperança, apenas será aceitável por parte de pessoa diferente do próprio,a suspensão da medicação curativa e a passagem `a administracao de medicação a paliativa que vise diminuir dores e outras situações de sofrimento, deixando que a doença tome o seu curso célere até ao inevitável desfecho.

Eutanásia e' uma opção do próprio e de mais ninguém.

Depois, surgem as questões religiosas.

Se formos por aí, não será também contra a vontade de Deus, tomar medicação e a submissão a cirurgias, que vão adiar a data da nossa morte?

Ser crente ou não, também e' uma opção de cada um. Como tal, cada um saberá no dia do juízo final assumir a responsabilidade que lhe cabe na decisão que tomou e defender-se.

O sofrimento diário e constante, 24 horas por dia, não tem dignidade nenhuma, impede qualquer ação pro ativa do enfermo e qualquer participação na vida normal.

E' legitimo deixar a quem se encontra nessas condições a decisão de acelerar ou não o fim inevitável, sem os sobrecarregarmos ainda com o sentimento de culpa,face a Deus, face aos problemas legais em que pode colocar quem ajude, etc.

Maria Sou