Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

afterall

a guerra dos mundos

por maria sou, em 31.07.16

Enquanto recebia um merecido tratamento aos meus pés espreitava na televisão o referido filme de ficção, temática que nem a todos agrada mas que não deixa de ter a sua mensagem. De uma forma muito interessante Spielberg introduz duas temáticas. Uma mais abrangente que trata da supremacia de uns a qualquer preço tombe quem tombar, e outra mais pessoal mas que acaba por ser o grosso da historia, o crescimento do ser quando confrontado com situações extremas. Tom Cruise no papel de um pai negligente e irresponsável, vai descobrindo em si todos aqueles sentimentos de que terá ouvido falar mas que nunca fizeram vibrar a corda da sabedoria que lhe vai permitir vencer a sua própria infantilidade e as eternas "gaps" parentais características das relações pais e filhos. A par deste tipo de conflitos há muitos outros que catacterizam as nossas relações sociais. Aquii se vê a importância da experiência adquirida em "campo" ou na pele, para que cada indivíduo desenvolva as suas capacidades de interagir com os demais. Dos sentimentos nobres nascerá o herói, dos sentimentos violentos a inadaptação com a qual se lutará contra tudo e contra todo na busca de tentar vencer a guerra dentro de si.

Desejando a maior sorte e paciência até que a luz se faça, fica o apelo, não desista de si e encontre-se Maria sou

Moda

por maria sou, em 26.07.16

Moda: o que se usa ou usa-se o que se e'.? Surge aqui uma dicotomia interessante. Procuramos mais depressa adquirir o que vemos na loja ou o estilo que vimos em alguém e que pretendemos para nós próprios? Sim frequentemente somos vestidos pelas nossas emoções e fazemos das roupas que envergamos uma afirmação de identidade. No final de tudo, fica a pergunta: Quando há em todos os estilos coisas que nos agradam, significa que ainda não nos definimos ou que temos um espírito receptivo? As voltas no guarda fatos Maria sou

TOP culinária

por maria sou, em 23.07.16

Adoro comer e comer coisas variadas.

Para isso, de quando em vez, pego naquela receita há muito na minha mente para experimentar mas sempre adiada, e, certa de que não falta nenhum ingrediente, fecho-me na cozinha.

No entanto, devo confessar que frequentemente, assim que começo a conhecer os ingredientes que compõem os pratos mais atraentes, passo a questioná-los quanto a serem saudáveis. Chega a ponto de o interesse desvanecer totalmente. Manteiga? Maionese? Nata? Toucinho? Bacon? Gorduras aquecidas? Carnes mal cozinhadas de porco e frango ( Acho que a OMS me compreende.. ou eu e' que a comreendo). Açúcar e caramelização a toda a "brida"?

Isto faz com que o interesse conquistado pela imagem do prato já finalizado, se vá tornando um enjoo a cada passo da execução.

O colestrol sobe e uma banhita força a saída do cós da roupa, só de ver.

Mudo o canal e quando vou para a cozinha busco os sabores na essência de cada alimento, sobretudo dos vegetais.

Durante uma semana, particularmente vocacionada para a culinária, experimentei várias receitas. No fim dessa semana, tinha mais um quilo, uma barriga flatulente e uma sensação constante de enfartamento.

A par da saturação do organismo a certos ingredientes, a sensação de apetite não deixava de estar presente, pois isso e' também uma das características destes pratos. Apesar de altamente calóricos, por vezes não possuem o necessário a uma alimentação completa e com todos os nutrientes:: proteínas, vitaminas e sais minerais.

Quando o nosso organismo regista algum tipo de carência e essa informação é registada pelo cérebro, este vai exigir a reposição dos valores. Nós gulosos, vamos tentar ludibriar o apelo, ingerindo tudo o que nos sabe bem, mas nem sempre o que o organismo precisa. Só que o cérebro não se cala enquanto a verdadeira carência não estiver satisfeita.

Por isso, e' que muitas pessoas engordam a comer pouco. Não sabem calar os apelos do manda-chuva, o cérebro.

Por incrível que pareça, pode haver fome na gordura.

 

E aqui fica mais um pensamento sem calorias de

Maria Sou

As 50 sombras de Grey

por maria sou, em 21.07.16

Aí vem a sequela da dita trilogia mencionada. Opinião pessoal: O livro da mulher donzela que sonha com sexo e que sobretudo busca uma desculpa para o praticar de todas formas e feitios, sem ser por isso julgada ou pária social. O livro do homem que sonha pelo cordeiro que pode sacrificar a seu bel prazer qual Deus todo poderoso. Recebi de presente o1° volume como a leitura obrigatória de momento. Li na diagonal. Tudo o que seja extra os atos sexuais elaborados, reduz-se a meia dúzia de páginas de texto simples, sem poesia nem figuras de estilo ou ideias bem exploradas. As partes de sexo explícito, pornografia escrita. Corin Tellado, sem o romance da paixão pré consumação. A essência que nos faz escolher um entre muitos. Dissecando os personagens e os seus atos e reacções: Nenhuma virgem sonha que o seu primeiro contacto sexual seja um curso intensivo do Kama Sutra apimentado com uma dose controlada de violência. Nem tão pouco, sonha ter de lidar com todas as emoções e dúvidas da sua primeira experiência a par dos transtornos emocionais de um homem experiente, violado,, torturado e por isso, totalmente virado para si. Nem um psicólogo, julgo, seria capaz de resolver tantos danos. Uma virgem sonha com alguém não muito mais experiente, mas capaz de a orientar nos seus média com carinho e amor. O que uma virgem espera da sua primeira experiência e' estar com a pessoa amada. O prazer ainda nem entra na equação. A relação: Quem e' que está para aturar um indivíduo que ae intromete na nossa vida pessoal nas nossas relações sociais e amizades, como se fossemos meros bonecos de sua criação. Pior ainda, estar num evento algemada ao apêndice que sempre que lhe dá na gana nos arrasta para uma outra parte da propriedade para ter intimidade. Uma vez, tem piada. A partir daí, "este indivíduo deve aer parvo" e' a conclusão óbvia. Interessante também e' a disponibilidade que um empresário de tamanho vulto nas mais vastas áreas, tem de se apresentar em pessoa a cada torcida do pé da sua amada para a carregar em braços. Ah! A autora vive no país onde são criadas as ilusões. Outro erro de quem gosta de desculpar os seus maus passos e' que não há desculpa para aceitar presentes caros e não vou tão longe, a ponto de falar de bens do tipo: carros Quem aceita isso sujeita-se a tudo, sem contratos nem controlo.de segurança. Não tenham ilusões. A única coisa que deu alguma credibilidade ao livro foi o final do primeiro volume e.a separação dos dois. Nenhum homem e' tão belo que dê para aturar sendo tão chato.

Mas, e' só a opinião de Maria Sou

emagrecer - dicas

por maria sou, em 19.07.16

Olá Comecemos por salvaguardar que mais importante que ser magrinha(o), e' um corpo bem estruturado. Uma chichinha no sitio certo fica muito bem... Eu gosto. Dito isto, para não engordar só há uma solução: Não comer demais. Está nervosa? Saia. Está ansiosa? Mude de roupa e vista aquela que a faz sentir uma diva. Va mais cedo buscar os filhos e enquanto espera aproveite o banco do jardim para respirar fundo, ler, pôr em dia os pensamentos. Goze do direito que tem de dedicar tempo a si mesma e aos seus estados de espírito. Qualquer coisa menos vingar-se na comida. Depois 1- já sabe que não pode fazer compras com fome, ou nesse estado entrar numa confeitaria. 2- prepare de antemão o seu frigorífico com alimentos saudáveis e que possa cozinhar rápidamente quando e sublinho SÓ quando estiver com fome. Quando já estiver com fome, coza rápidamente uma batata, uma posta de peixe e legumes. Grelhe uma fevera enquanto prepara um arroz de legumes. Cozinhe na quantidade de uma dose. Não cozinhe de forma a poder repetir. Vai ver que se estiver com fome, mesmo as receitas que não são tanto do seu agrado lhe vão saber muito bem e a quantidade e' suficiente. Importante também e' que vai sentir-se limpa e que comeu saudável.. 3- coma no mínimo 6 vezes ao dia. Tome pequeno almoço. A meio da manhã coma uma peça de fruta e uma sandes de queijo ou fiambre. Vai ajudar a chegar ao almoço com menos apetite. Beber água regularmente também ajuda e a reduzir o apetite e faz muito bem, até ao cérebro. Almoce, lanche, jante e antes de dormir beba uma chávena de leite morno que acalma e alimenta. Ao cozinhar assim, vai recorrer aos alimentos como necessários `a vida, mas vai retirar-lhes o poder de solucionadores de problemas e outras irritações. Aprecie a comida. Coma. Pouco mas bem. Bons resultados Maria sou

A alegria de estar de férias

por maria sou, em 18.07.16

Porque nos sentimos tão em paz durante as férias?

Será só porque nos sentimos livres de compromissos e nos encontramos em lugares novos e cheios de novidades?

Também o facto de que quando partimos de férias rumamos ao sonhado, ao esperado, ao ambicionado o que nos transporta para uma realidade em cuja bagagem não cabe as adversidades que diáriamente enfrentamos.

Boas férias

Maria Sou

 

 

10616353_690799424321587_970337748901293760_n