Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

afterall

Trudeau your foto wasn´t racist

por maria sou, em 19.09.19

 

20190919_131000.jpg

 

My english is quite limited. In spite of that,  i´ll try to make myself clear.

If he was racist, he would never had painted is faced darker.

When does peole stop will stop to be stupid and use everything to distort it the way they want to be understood.

We can´t say black, we must say neger. Well, i´m not white or whitish, i´m beije. If I say black that´s because I meant to refer african ethenia. And I usual say, african people. I don´t mention the colour. 

I usual talk hopenely of racist usues, things that hapen to black people, even if african people are listening. In the begining, they feel shoked listening to me, but then they understand that I treat everyone with respect not being condescending. That would mean that I felt superior. So, I talk about things with prejudice, I talk about things the way they must be meant, hopenely with respect.

It´s time to stop making victims, it´s time to include. 

It´s time to talk hopenely about what happened, what still hapens, so we can all move on and make a new story. Not forget or pretend it wasn´t so bad. Move on, as we do when bad things happen to us in our daily life, and we keep going on.

A few days a go, a coleague (african) was surprise because after she told us an attitude of a woman to her, i answeard that it had nothing to do with the tone of the skin, or the diference of age, or because she is a woman. It happened because it´s the way portuguese go before getting better aquaintace with the other.

First, she almost jumped, then she understood she probably was jumping into standard conclusions and that maybe there are more explanations than keep "strocking the guy already on the floor".

Releave the tension about things. Let guiltys reboot of their condition, let victims breath deep of releave as they are free of chains, let´s walk together to a new day. There will be always mean people disturbing people from other origin, disturbing ugly or short peole, shy people, helpless people. There will be always people feeling bad with themselves wanting blaming other people for that and crying for their attention.

Let´s be racional and don´t distorce what is what it is.

Feeling that the world sometimes play the saint while hiding a stone behind their back,

Maria Sou

Vamos a votos

por maria sou, em 13.09.19

WIN_20190913_11_48_12_Pro (2).jpg

 

Preocupa-me.

Preocupa-me, sincera e seriamente, uma espécie de estagnação intelectual e motivacional que se instalou nos eleitores.

Antigamente, não se podia falar. Agora, não lhes apetece.

Falar, fala-se. Mas como diz o ditado, "palavras leva-as o vento".

É cada um por si. Desde que a vida corra, deixa rolar.

Eu vejo os noticiários e as propagandas e fico estupefacta.

As panelinhas, a corrupção, a falta de jurisdição ou antes, a falta de ação da jurisdição sobre estes atos. A incompetência que conduz à perda de milhões de euros que depois o contribuinte vai pagar. O compadrio. A desconhecimento da realidade instaurado pela cibernética. Sim, porque há tanta imaterialidade neste novo mundo da teia, que parece que estamos a lidar com super-heróis: " Ora estão aqui, ora já se foram."

As notícias de atos mirabolantes da alta finança, impunes e debitados ao inocente contribuinte. Nem sequer, grandes atos de inteligência. Apenas trapacices mundanas e merceeiras de grupos fechados que se julgam e por vistos são intocáveis. Não pensaram foi que houvesse quem pudesse chegar aos valores e fazer as contas. É tudo uma questão de boa vontade e verdadeiro conhecimento. Felizmente, há quem ainda vá tendo acesso ao que lhe devia estar interdito e tenha a noção do que está a ver.

O mundo, a forma como está a ser vilipendiado e destruído. 

Os jovens dizem que não querem saber dos velhos, mas a verdade, é que os velhos também se estão um pouco a borrifar para os novos. Afinal, já têm a vida quase cumprida, é uma questão de gozarem um bom resto de vida e, entretanto, vão lixando o legado às gerações vindouras, distraídas que andam com o seu próprio umbigo, surf e uma atitude de "tá-se bem".

Nós, os mais velhos, ainda tivemos uma noção da definição do paraíso. Temo que os mais novos, não venham a usufruir dessa regalia por muitas mais década.

E entra aqui as eleições. 

Espanta-me que as mesmas pessoas que ainda há pouco tudo tiravam ao Zé Povinho, como tinham a lata de dizer, desabridamente, e achava que este tinha de aguentar em prol da recuperação económica que a má governação, os tais compadrios e a negligente jurisdição tinham causado, são as mesmas que agora vêm apregoar medidas contrárias a tudo o que tinham dito até aí.

Discursos meramente cativadores de voto, porque em campo, deixaram evidente, qual a consideração que tinham pelo povo que este país governa.

Se se sujam, por trocos, em kms dando moradas falsas, (o que devia ter conduzido à expulsão imediata desses deputados do Parlamento), o que farão se tiverem os meios para se governarem a seu bel prazer?

E não aparece sangue novo!

Parecem aqueles ateus e agnósticos que beijam o anel ao Papa ou se benzem junto ao altar.

Não acreditam, sabem que é mentira, mas quando necessário, jogam o jogo.

Todos jogam o jogo. Temos jogos nacionais e temos jogos internacionais.

Não passam na televisão, mas nas nossas carteiras, nas nossas condições de vida, no estado do mundo em geral.

Vamos a votos. Com consciência. Sem negligência, porque podemos lançar a culpa nos outros. Vamos a votos. Porque realmente queremos o melhor que se pode fazer.

Desiludida

Maria Sou

 

 

 

 

Dinossauros - Deve ser na Lourinhã

por maria sou, em 14.07.19

DSCN1687 (2).JPG

 

 

E é. Mais precisamente na Lourinhã. Rodeado de pequenas lindas cidades, tipicamente portuguesas.

Podia ser no estrangeiro, já que ao meu redor, não era o português a língua mais falada. Mas não, é em Portugal que se situa o Dino Parque.

Neste parque, encontramos exemplares reais de esqueletos e outros fósseis de dinossauros. No exterior, representações dos mesmos, com aspeto bastante real e inseridos na natureza e em tamanho real. 

Com zonas de restauração e de picnic, atividades lúdicas para as crianças, loja de recordações inseridas na temática do parque e a referida exposição, o parque oferece um momento de descontração para as famílias e aficionados, que também se podem fazer acompanhar pelo seu animal de estimação.

Rendida,

Maria Sou

Melhor que palavras,  algumas imagens

 

DSCN1688.JPG

DSCN1690.JPG

DSCN1703.JPG

DSCN1722.JPG

DSCN1723.JPG

DSCN1724.JPG

DSCN1725.JPG

DSCN1737.JPG

DSCN1738.JPG

DSCN1739.JPG

DSCN1740.JPG

DSCN1742.JPG

DSCN1743.JPG

DSCN1744.JPG

DSCN1745.JPG

DSCN1746.JPG

 

 

 

Ainda há escritores?

por maria sou, em 28.06.19

WIN_20190628_12_08_31_Pro.jpg

 

 

Frequentemente se diz: " Hoje em dia, qualquer pessoa escreve."

A possibilidade de que goza o mais comum dos cidadãos de ver publicado um texto seu, é o resultado de uma conquista por que tanto se lutou. A liberdade de nos expressarmos. 

Temos o exemplo de José Saramago, um autor que apesar da reduzida formação académica, soube construir textos riquíssimos e histórias coerentes, resultantes de profundas análises sobre o tema.

Boas ideias e bela escrita, podem ter origem na aparentemente, mais comum das mentes. 

Só o publico é que pode decidir o que prefere ler e que de que autores gosta mais.

Atualmente, debatemo-nos com um tão vasto leque de ofertas, que quase se torna difícil saber por qual optar. Acabamos por seguir os mais badalados e mais divulgados pelos media. 

Mas a pergunta que se coloca é: - Ainda há escritores?

Há livros interessantíssimos. Daniel Silva, Ken Follett, José Rodrigues dos Santos, Dan Brown...

Com eles lemos e aprendemos. Relatos romanceados da história. Narrativas protagonizadas de acontecimentos verídicos.

Mas aquele texto construído de fio a pavio, com o cuidado de cativar o interesse, e pela magia das palavras, lançar o leitor da mais alta realidade para o abismo do literário da ficção e do tema, com ele se consolidando, perdendo identidade e se envolvendo de uma nova história que não sendo a sua, também dela já não se pode afastar. 

As realidades mundanas de Balzac, familiares e políticas de Tolstoi, sociais, familiares e políticas de Júlio Diniz, espirituais e socias de Vitor Hugo, pintadas nas mais ricas cores da suprema linguagem escrita.

Porque escrever não é contar, narrar, noticiar, relatar com pormenores. Escrever, é criar para além do tema, o cenário e convidar a entrar, a fazer parte. Fazer ferver, fazer temer, prender a respiração, soltar o suspiro, rir e chorar, porque tudo se nos torna tão próximo. Enlevar com as palavras a ficção à realidade.

Escrever, é criar. Tudo o resto é narrar.

A rever velhos temas e autores,

Maria Sou 

 

 

Europeias

por maria sou, em 23.05.19

 

DSCN1668.JPG

 

 

Eu sei que todos presenciaram um grande debate e só eu é que não percebi nada, mas para ser sincera, a pergunta que pairou todo o tempo na minha cabeça, foi a seguinte: Estão a brincar comigo?

Aquilo foi algum debate? Todos tocaram em assuntos chave e que são do agrado da populaça apontando o que é preciso fazer ou se pode fazer. Ninguém disse o que ia realmente fazer. Ninguém se comprometeu. 

Quanto mais alto o posto, maior o medo de assumir compromissos.

Que temas foram abordados? Aqueles que apelam ao coração do cidadão comum.

Falou-se de imigração, que para mim é uma grande treta.

Há muitos, muitos anos, e os portugueses o fizeram em grande escala, as pessoas fugiam em busca de trabalho e melhores condições de vida. Cidadãos responsáveis, empreendedores, trabalhadores, humildes e com vontade de suportar o que necessário fosse para na terra conseguirem melhor vida para si e família.

Hoje em dia, é muito diferente. 

As pessoas fogem aos conflitos e os países que os recebem, dão guarida a elementos verdadeiramente perigosos para a estabilidade a par com vítimas inocentes. 

Nos tempos que correm, a imigração tem de ser analisada com cuidado, pelo perigo em que podem incorrer ao receber de braços abertos quem nos países recetores se quer instalar.

Aceito que há condições terríveis nos países de onde vêm todos estes imigrantes, mas o serem abandonados em alto mar, é uma forma de imporem a quem os pode salvar, que os recebam.

Quem sabe deviam ser socorridos, sem dúvida, mas recambiados para zonas perto dos seus países de origem, até que os confrontos estejam decididos.

Os jovens que entram nos países hospedeiros e por eles acolhidos, deviam de imediato iniciar preparação para integrar as forças da NATO que em campo combatem para os ajudar.

 

Falou-se do desemprego dos jovens:

Ainda ninguém parece ter percebido que a realidade mudou.

Não só os jovens têm de enfrentar o desemprego em grande escala e os empregos de futuro que tendem a afastar-se dos padrões que conhecemos. Mesmo esses, serão apoiados em grande escala pela robótica.

Também, e neste grande problema não se toca, há desemprego nas pessoas ainda jovens que por se encontrarem acima da faixa etária dos 40 anos, dificilmente reentram no mercado de trabalho.

As pessoas mais velhas estão habituadas a pensar que daqui a uns anos vão para a reforma. 

A realidade é que, cada vez mais, chegamos mais jovens a idades mais avançadas. 

Aos 50, as pessoas ainda jovens, ultrapassadas e sem disposição para as novidades que encontram nas funções que sempre desempenharam, querem experimentar novos rumos, concretizar velhos sonhos. A estabilidade financeira, a maturidade, uma nova disponibilidade de tempo, ao verem os filhos a saírem de casa, abre-lhes novas perspetivas de ação.

Nesse novo espírito residirá a diferença. 

O próprio cidadão, que na idade da reforma se sente ainda pleno de energia e curiosidade; mais seguro das suas opções e dos caminhos que ainda quer percorrer, vai deixar de se ver como estando preparado para orientar os "pés para a cova" e vai querer empreender novos projetos, para os quais, até já terá reunido condições para se autor financiar. 

Logo, o problema não se centra no desemprego juvenil, mas na inanição de toda uma população ativa.

O cidadão mais velho, que perde o seu emprego por já não acompanhar a evolução da tecnologia, das novas atividades, ainda pleno da sua capacidade física ou intelectual, tem de estar seguro de que terá todo o apoio para se reciclar e se reiniciar.

 

Outro tema abordado, os problemas climáticos

Ninguém quer ver um planeta que nos permite viver livremente ao ar, usufruindo de uma beleza e condições de vida que parecem ser únicas no universo, desaparecer para que se conquiste uma vida artificial, num planeta longínquo que não parece oferecer nada com a qualidade que já se possui. 

Que se conquiste novos locais de vida, é evoluir. Fazê-lo paralelamente com a destruição do que já se tem, é de uma ignorância que toca a demência profunda.

Quem quer viver encarcerado numa estrutura e se pretender sair, ter de o fazer enfiado numa espécie de camisa de forças, com um aquário na cabeça que recebe o oxigénio das garrafas que transporta às costas?

Quem quiser viver assim, numa fase experimental, temos manicómios de segurança máxima, dispostos a recebê-los e dos quais não podem ausentar-se, que fornecem os respetivos coletes e máquinas de suporte de vida a que os prender.

Ah! E a falta de gravidade? Também já se consegue criar esse cenário em laboratório.

A viagem interestelar? Vão ao shopping mais próximo e pagam 4 euros a sessão, para andar nos simuladores. É uma viagem bem mais curta, bem mais barata e que não causa em grande escala para a destruição da camada de ozono, ao contrário das verdadeiras a par de tudo o que seja lançado para o espaço.

 

Falou-se também de a Europa exigir respeito por parte dos EUA 

A Europa tem é de ser competitiva e interessante para os demais continentes. 

Em vez disso, vemos todas as atividades serem ocupadas por empresas sem rosto a quem não se pode pedir responsabilidades, nem com elas competir.

A corrupção deixou de estar ao nível dos particulares. A corrupção subiu ao poder. Esconde-se em paraísos fiscais e não é tributada.

Os cidadãos das grandes cidades estão a ser desalojados com a mais vil desumanidade, sem dar tempo a que aqueles que toda a vida viveram em determinados locais, possam terminar os poucos dias que lhes restam na companhia dos vizinhos de uma vida, já que muitas vezes, nem familiares têm ou com eles podem contar.

Tratando-se de uma etnia marginalizada, a correr disponibilizam casas para a acolher. Como são apenas cidadãos que já não contribuem, quem sabe, vá que tudo isto lhes dê um enfarte que os despache mais depressa.

A decadência dos serviços públicos. O cidadão contributivo, não é reconhecido no seu esforço, no seu contributo de uma vida. Cada vez mais, é atirado para segundo plano e ignorado. Na saúde, no atendimento público, nos seus direitos.

***********

A falta de empenho, o discurso desfasado da realidade de cada país, a suavidade com que todos lançaram um tema que os preocupava especialmente, mas sobre o qual não tinham mais do que um minuto para explanar sobre, deixou-nos sem respostas, apenas com um rol de preocupações que fica muito aquém daquele que o cidadão comum carrega no dia a dia, para si, para os filhos, para o futuro incerto e que de modo algume, inclui a todos.

A sentir-se desinformada e ao Deus dará

Maria Sou

 

 

 

 

 

A tirania da liberdade

por maria sou, em 03.04.19

Quando perdemos a noção dos limites e o excesso é tomado por tempo moderno e a crítica por juízos passados.

 

Quando perdemos a noção do que realmente ocorre ao redor e em tudo que supostamente regula a nossa vida quotidiana como cidadãos e a realidade nem sempre é o que parece.

 

Quando a informação pode ser tão desinformada que o discurso se apoia em dados irreais e se debate o que não existe enquanto a verdade se vai formando tumultuosa. Destrutiva na sua revelação.

 

Quando a autoestrada da comunicação viola a privacidade de todos para assegurar a libertinagem de alguns.

 

Quando do tanto se quer tão pouco, sem tempo para assentar vontade.

 

Quando a vontade de um, não tem valor para a vontade geral.

 

Quando a liberdade do global dá espaço à tirania dos líderes da matilhas.

 

Quando há a liberdade de destruir, e a tirania de construir sobre o destruído.

 

Da privacidade do seu recanto  gozando da liberdade de ser como se sente bem,

 

Maria Sou

 

 

Museus e Monumentos

por maria sou, em 13.03.19

Fui visitar um dos mais belos monumentos.

Uma verdadeira joia arquitetónica. 

No entanto, tive de aguardar que a pessoa responsável pela abertura do referido edifício resolvesse aparecer e abrir a majestosa porta de madeira de intemporal beleza.

Quando chegou, já um grupo considerável de turistas partira. Esperaram quinze minutos, sentados ao sol, vinte, talvez. Aborrecidos, partiram agarrados aos livros de guia turístico que os tinham ali conduzido. Ali, aquele canto tão remoto que a maioria dos habitantes da cidade o desconhecem.

Entrei, também pela primeira vez, como os demais, e a respiração susteve-se no peito.

Poucos trabalhos se lhe igualam em pormenor e quantidade. Tanta arte num mesmo espaço a coabitar em harmonia, apesar da intensidade, completando-se e elevando-se em qualidade à altura e grandiosidade do edifício que a abriga no seu ventre.

Um edifício fechado. Só abre, se der, explicou o guia.

Só abre se der, um edifício que de manhã cedo os turistas procuraram por recomendação. Um edifício em vias de recuperação do interior e que necessita de todo o apoio financeiro que poder arrecadar.

Não sendo alvo de cobrança a entrada, a comparticipação dos visitantes é facultativa. 

Seria mesmo conveniente que as visitas pudessem ser feitas à hora anunciada, ao maior número de visitantes que pudessem contribuir para a recuperação de tão rica atração turística.

Quando por fim acedi ao interior, vi com espanto a porta a ser encerrada à minha passagem e só os turistas mais atrevidos é que rodaram o puxador e entraram, seguros da vontade que tinham de ali estar. Os outros, os que tinham aguardado sentados ao sol, em vão, não os voltei a ver. Mas estes, estes entraram delicadamente, pedindo licença e sorridentes, sem certeza de puderem deveras entrar. Nada indicava que o podiam fazer.

Se der, talvez alguém venha. Se der, talvez alguém ajude. Se não der, talvez tudo vá desvanecendo até se tornar tão esquecido como o canto da cidade que o alberga. Quem sabe até entre em ruína e daqui a uns anos, não passe de uns meros escombros a desfear a cidade.

Em defesa do patrimônio esquecido e entregue a quem não percebe as consequências da falta de zelo,

Maria Sou

 

 

Maria Cerqueria Gomes vs Manuel Luis Goucha

por maria sou, em 30.01.19

Têm sido recorrentes as notícias sobre algum desconforto da Maria Cerqueira Gomes no programa que partilha com o Manuel Luis Gomes.

Parece que é acusada de ser a causa das audiências terem baixado, é comparada com a Cristina, blá, blá, blá, blá.

O que retiro daqui, é que o Manuel Luis Goucha se queixa que sem a companhia certa não consegue segurar as audiências. Se calhar, quem precisa de sair é o Manuel Luis Goucha.

Relembremos que o que a Cristina Ferreira está a fazer, e muito bem, é um programa como já a Maria Cerqueira Gomes tinha no Porto Canal.

Apesar de uma jovem quase em inicio de carreira, a Maria Cerqueira Gomes aguentava um programa completo com um profissionalismo, uma elegância e uma bagagem a que se pode comparar a Fátima Lopes, mais ninguém. Pelo menos, no que concerne a elegância de postura e atitude. ( Abro este parêntesis porque nos dias de hoje, falar de elegância, o nosso público pensa só e apenas em, roupa).

Sem histeria, a piada fácil recorrente, sem populismo, a Maria Cerqueira Gomes conquistou uma imagem dificil de acompanhar para quem não tem o mesmo grau de profissionalismo. É quando entra a maldicência, a arma dos desesperados para se aguentarem.

Tal é o profissionalismo da Maria, que mantêm toda a postura e tenta aguentar o que não é de tolerar. É de parar tudo e dizer: " Ou este senhor começa a trabalhar a sério, ou ficamos por aqui." 

A falta de profissionalismo do Manuel Luis Goucha faz com que em vez de trabalhar com afinco no projeto que abraça, opte por uma atitude de bullying de quem quer fazer o que quer, só que ainda não percebeu que o programa já não é dele. O programa foi da Cristina e agora é da Maria Cerqueria Gomes que como sempre, nos presenteia com uma elegância e atitude profissional que faz falta há muito nos nossos écrans

A favor do profissionalismo e da camaradagem

Maria Sou

Ditadura e outras ditas duras

por maria sou, em 13.10.18

O mundo avançou como se espera que faça tudo aquilo que passa de uma fase para outra.

No entanto, parece que não contentes, há muito quem espere um regresso ao passado.

Um passado liderado pelos homens,  um passado que nega direitos a grupos especificos da sociedade, um passado de violência calada mas totalitarista, real e tão incompetente como a liberdade que desagrada a tantos e no geral.

Num derradeiro esforço do afogado, o saudosismo surge como uma esponja que se passa sobre o quadro negro de lousa, apaga tudo o que se fez para que possamos começar de novo.

O que estava errado, não vai estar certo porque se errou e se voltou atrás. Repetir os erros do passado levará a que se lutem guerras antigas. 

Recorrer ao passado é sinónimo de uma incapacidade de aceitar a evolução natural das coisas e incapacidade de construir o próprio futuro. É sinónimo de querer impor uma forma de vida aos demais. O querer que o mundo gire à volta de um ego.

O ideal é repescar o que havia de bom no passado e aproveitar o que há de bom agora, encontrando um equilíbrio.

A mulher como base educacional da sociedade, no seu papel tão importante como formadora do carácter do seres a quem dá vida, não abdicará por certo do papel que conquistou desde origem da vida ao sustento do lar.

A mulher como pedra basilar da sociedade, é o elemento mais importante para o equilibrio do mundo, quando educa o seu filho rapaz a não ser aquilo que não deseja ver no marido. Quando educa os filhos, rapazes ou raparigas, a estimarem-se mas a respeitarem os demais, o mundo. Quando os educa a serem empenhados, cumpridores e buscar o sucesso por direito, sem favores nem se rebaixarem, porque são elementos ativos da sociedade e para ela têm de contribuir. Quando punem os comportamentos mais ou menos condenáveis no sentido da construção de um carácter forte.

A mulher não vai nunca abdicar do seu papel de bastidor que se reflete no palco mundial da vida.

A mulher não vai nunca abdicar do papel que conquistou em todas as atividades profissionais da sociedade com comprovada competência.

A mulher não vai abdicar do protagonismo tão completo que conquistou. Completo porque vai desde a imagem à participação na vida familiar e social.

A mulher não vai abdicar da fraqueza de amar incondicionalmente, apenas da servidão desse amor.

A mulher é mãe de todo o filho e por isso, não pode aceitar qualquer tipo de violência ou descriminação oriundas de mentes repressoras que querem moldar o mundo para servir os seus únicos mesquinhos interesses e sonhos megalómanos a disfarçar complexos de inferioridade interiorizados.

À mulher o mundo falha com uma mistura entre o homem antigo que assumia a família e dela cuidava dando o exemplo e o homem moderno que evoluiu do irrascível dominador ao companheiro. 

Para um mundo de paz só falta a intervenção sábia e determinante da mulher, sem hesitar.

Maria Sou 

 

 

A cor das notícias

por maria sou, em 25.09.18

WIN_20180925_20_52_53_Pro.jpg

 

A notícia informa sobre um acontecimento. A forma como é redigida, pode conotá-la de tons e milhentas intenções que nos influenciam inconscientemente.

Como tantas outras vezes, partilharam comigo no facebook que a uma mulher negra ou preta, não sei como é correto dizer, para mim , mulher/homem chega, foi recusado em tribunal um recurso e que o juiz a seguiu para fora da sala de audiências e agrediu com bastante violência.

O juiz foi posteriormente condenado em tribunal.

O que é que falta nesta notícia? Tudo. 

O que levou o juíz a persegui-la e a agredi-la? Teria-o ela insultado ou à mãe dele tocando-lhe um ponto sensível, num momento, se calhar, ainda mais sensível? Atacou-a por ser racista, ou porque não se controla seja com quem for, resultando nestes comportamentos inadequados a qualquer um, quanto mais na posição que ocupa? Foi condenado por violência e racismo ou por violência só o racismo nunca esteve presente?

O que tem a mais esta notícia? A cor da senhora.

Se formos desconstruir a notícia, podemos encontrar aqui uma intenção subjacente de nos conduzir perniciosamente a achar que os pretos são vítimas e desprovidos de poder que lhes confere o direito de serem tratados como iguais precisando de ser defendidos em praça pública pela moral e bons costumes. Um: "há quem maltrate este tipo de gente, este tipo de gente pode ser maltratada". Está assim a ideia de segregação racial lançada na mente dos incautos e deste modo enganoso vai sendo reforçada.

Todo o texto nos remete para ter pena da senhora porque como preta está sujeita a estas situações e não para o ato indecoroso em si, seja de quem for e para quem for. De juízes, de médicos, de técnicios de limpeza, de um estudante, de uma pessoa comum, para com qualquer que seja o ser sensível, pessoa ou animal.

Injustiças iguais acontecem a todas as raças. O problema não está em a quem aconteceu, mas que aconteceram.

E a injustiça, essa... não tem cor.

Maria Sou